Terapia SandPlay

Terapia SandPlay

 

É um dos jogos da corrente psicanalítica mais utilizados pelo que se acede ao inconsciente do paciente por meio da dimensão do jogo de areia, esta técnica é utilizada como tratamento tanto para crianças como para adultos. A criação do paciente na areia corresponde aos processos internos psíquicos da individuação descrita por Carl Jung.

Por meio do jogo como linguagem, está relacionado com os sonhos, indica que ao brincar vencemos realidades dolorosas e dominamos medos instintivos, projetando-os no mundo exterior para a técnica aplicada (caixa de areia, baralhos associativos, etc.).

A técnica conhecida como SandPlay (Jogo com a caixa de areia) é um método psicoterapêutico impulsionado pela psicanalista Dora Kalff que fez uma série de adaptações das “técnicas dos mundos” de Margaret Lowenfeld (Pediatra e psiquiatra infantil) que dava uma grande importância a experiência táctil com a areia, água, brinquedos em miniatura.

Kalff baseando-se nos estudos de Lowendfeld, desenvolve a sua própria perspectiva, baseada na filosofia oriental e conceitos de teoria Junguiana, dando como resultado o SandPlay, trabalho terapêutico que pode ser utilizada tanto em crianças como em adultos, que serve para aceder aos conteúdos inconscientes destes de forma não verbal.

Este método psicoterapêutico serve para poder ter uma melhor observação do inconsciente, permitindo uma análise individual, grupal, de realidades complexas, alcançando assim um nível pré-verbal da psique.

Tal como diz o seu nome; o “jogo” é um fator importante no método. O sentir-se a vontade a jogar é favorável na terapia. Pode-se dizer que existe uma ausência de intencionalidade inerente no jogo de areia. De facto, observa-se que a terapia realmente inicia-se no preciso momento em que o paciente se dispõe a render-se ao jogo. Isto é de muito valor no processo criativo, já que os medos, as tensões e as fixações começam a cair, quase inintencionalmente.

O jogo de Areia como método terapêutico, cria uma ponte entre a consciência e o inconsciente. Durante o processo, a mente consciente relaxa o seu controle e permite que o material inconsciente penetre. É importante reconhecer que o inconsciente acorda na seleção das figuras e a forma que se dá a areia, ao mesmo tempo, as ambições e os propósitos da mente são silenciados.

Os Fundamentos teóricos do jogo em areia como método terapêutico, baseiam-se no conceito original de compensação e autorregulação de Carl Jung, onde a psique possui uma disposição autónoma de sarar-se a si mesma e crescer em desenvolvimento. Jung observou que quando se dão as condições adequadas, esta tendência natural é ativada. Este método Junguiano, prevê as condições necessárias para a ativação deste processo natural da psique humana. Noutras palavras, com ajuda do trabalho exterior, o conflito interno faz-se visível e traz consigo o seguinte passo, o desenrolar.

 

 

Concluindo; é uma técnica projectiva vivencial que facilita a exploração dos estados internos, a expressão e compreensão dos estados emocionais. O objectivo é que a pessoa possa conectar com o conteúdo mental de forma subtil e possa representá-lo na caixa de areia onde se adicionam elementos que representam diferentes personagens e contextos.

Pretende-se aceder ao mundo intrapsíquico e a compreensão do seu conteúdo. Permite expressar por meio de um veiculo diferente do verbal, enriquecer narrativas por meio das metáforas terapêuticas e integrar partes dissociadas.

Assim esta técnica pode funcionar como um meio de expressão seguro de conflitos, medos, fortalezas, etc. Pode-se considerar que as miniaturas representam as palavras e a caixa, a gramática.


 

Os cookies facilitam o fornecimento de nossos serviços. Com o uso de nossos serviços, você nos permite usar cookies.
Mais informação Ok